22 de nov de 2005

Hitchcock - Buñuel

Se foram ou não os melhores, isto é impossível de responder. O que parece claro é que os dois são os mais importantes diretores para o cinema atual. Suas influências e marcas sao vistas em quase todos os filmes da atualidade, Buñuel, sobretudo no cinema europeu, e Hitchcock, onde fez história, no cinema americano. Referências em todo o mundo, qualquer um com o mínimo de conhecimento em cinema sabe quem são os grandes do surrealismo e suspense respectivamente. Estão relacionados com muita presença nos temas mais atuais do cinema moderno: amor, morte, obsessão, loucura, religião, política; sempre com tanto entusiasmo e inteligência que nos fazem recordá-los em cada filme que vemos.

O cinema de Buñuel é mais metafórico, simbólico, seus temas sao mais anárquicos e, principalmente, religiosos. Profundo conhecedor da teologia, Buñuel sempre procurou relacionar temas como: o comportamento de Deus diante da crença humana, até onde pode chegar nossa crença, até quando Deus estará com a humanidade, até onde Deus realmente existe. Hitchcock era ainda mais técnico, sabia criar situações de suspense como ninguém, foi um experimentador, inovador. Sua câmera era um personagem. Transformava pequenas obras literárias em grandes roteiros. Assim como Buñuel, em seus filmes revelava um pouco da sua personalidade, seus medos, traumas, suas paixões... Obsessão era seu tema favorito.

Apesar das suas singularidades, a semelhança na temática e narrativa dos dois são visíveis, principalmente se tratando do tema psicológico, quase sempre sobre o homem e seus limites. Profundos conhecedores da Psiquiatria Moderna, tinham como Freud e Kant tutores para criar seus personagens, sempre de uma complexidade enorme, o que dá ainda mais ênfase a esses gênios da sétima arte, já que 70% de um filme sao seus personagens.

Filmes como Tristana, Esse Obscuro Objeto do Desejo, Janela Indiscreta, Marnie, entre outros, mostram bem toda essa relação. Em certos casos, até percebemos influências entre eles mesmos. Ensayo de un Crimen, filme de Buñuel, poderia ser perfeitamente de Hitchcock, ou as cenas surrealistas de Quando Fala o Coração, e até sequências quase que copiadas um do outro, como a da igreja no filme Um Corpo que Cai, muito semelhante a do filme O Alucinado, de Buñuel.

E por último é importante acrescentar as várias sequências antológicas em seus filmes. Talvez as mais marcantes do cinema, como no caso do olho sendo cortado em Um Cão Andaluz, a da irônica cena da Santa Ceia (quadro de Da Vinci) em Viridiana, entre outras, no caso de Buñuel; e Hitchcock, com sequências ainda mais famosas e imitadas, caso da cena do chuveiro em Piscose ou da perseguição do avião em Intriga Internacional.

Por essas e outras, podemos deduzir o porquê de Hitchcock e Buñuel serem os dois mais importantes diretores do cinema moderno. Sem a contribuição desses gênios, o cinema nao seria tão grande como é hoje. Ao rever cada filme desses diretores podemos descobrir algo novo, como sao modernos e ganham ainda mais com o passar do tempo. É impressionante como podemos vê em cada filme da atualidade suas marcas, marcas que os mantêm vivos na arte do cinema ao longo de sua existência.

Nenhum comentário:

 
Free counter and web stats