3 de set de 2008

100 anos sem Machado: "QUANTO VALE OU É POR QUILO? "



Bianchi encontra Machado



Sabemos que o cinema do paranaense Sergio Bianchi é movido pela denúncia, por colocar os que detêm o poder em xeque. Pois bem, em quanto vale ou é por quilo?, seu filme mais recente, de 2005, tem como cerne o conto Pai contra Mãe, de Machado de Assis.

No conto, Cândido Neves - ou, se preferirem, Candinho - é o cara que se faz capitão do mato, ele captura escravos fugidos e os leva para seu cliente, que o paga conforme a dificuldade da tarefa. É assim quando ele tem que capturar Arminda (Ana Carbatti) - um trabalho-chave para que, assim, seja evitado o triste destino de ter de levar o filho à roda dos enjeitados, uma vez que Candinho e família não têm condições de arcar com a despesa de uma boca a mais na casa.

quanto vale ou é por quilo? também poderia ser chamado de "Arminda de Todos os Tempos". Há a Arminda machadiana, escrava, grávida e fugida, que aborta quando é entregue ao dono; há outra Arminda (vivida por Ana Carbatti, novamente), a de Bianchi, mulher que trabalha para uma ONG que serve como intermediária num grande esquema de corrupção, na qual todos levam vantagem, menos os mal-letrados/iletrados de uma comunidade carente. Ela também está grávida e, ao denunciar todo o esquema, tem de ser caçada pelo jovem-futuro-pai-desempregado Candinho (Silvio Guindane), que se torna matador de aluguel, afinal...

Com a recompensa pela escrava fugida, o capitão-do-mato pode agora criar seu filho, alimentá-lo e educá-lo com dignidade e liberdade.


Mas onde há dignidade em explorar a miséria alheia ao tornar-se mero servidor daqueles que detêm o poder de mandar matar ou deixar viver? O filme, ao fazer uso do texto de Machado, mostra que, mesmo em momentos históricos diferentes, nada mudou. Por isso, Arminda e Candinho em dois tempos - é fácil imaginar. Aqui ou ali, ontem ou hoje, sempre alguém lucra com a escravidão, com a miséria, com a imobilidade social. É o brasileiro das periferias dos grandes centros, dos morros, das roças, feito escravo fugido usando uma máscara de folha de Flandres. O pobre está no tronco. E é necessária uma certa porcentagem de negros, de índios categorizados como "outros" para aparecer no filme da campanha da ONG que vai oferecer inclusão digital - ou o que valha - como "a solução dos problemas dos miseráveis".

Vamos pegar os faveladinhos remelentos, dar a eles alguns brinquedos e posar para a foto. A única a sorrir é a "madrinha". Aquele moleque não serve pro depoimento, não tem orgulho de ser negro. Vamos trocá-lo. Mas, claro, enquanto o garoto ainda carrega o pesado estigma de sua miséria material e moral, o diretor só quer fazer seu trabalho. A máquina tem de funcionar.

Lá no passado e aqui, neste momento, está acontecendo. Há uma Arminda, um Candinho e um sacrifício. Mas Bianchi propõe uma alternativa. Arminda morre. Ou não, tem tempo de propor ao Candinho uma parceria. Não se pode ser pacato sempre e talvez a violência redirecionada pode ser a chave pra mudar tal quadro? No filme há também um sequestro. O ato é tratado como se fosse um negócio que gera lucros, assim como administrar uma ONG. Mas qual é a maior violência? A de quem impõe a podridão e ganha com isso ou a de quem reage a ela?

No conto e no filme, a única possibilidade de mobilidade é acatar o jogo de irmão-contra-irmão, povo-contra-povo. E seguirá sendo assim, pelos séculos e séculos... amém!

Será?

Um comentário:

Di Carlo disse...

Encontro? Para mim, é mais uma trombada. Onde há sutileza, há histrionismo. Onde há ironia, há cinismo. Se Machado de Assis joga luz sob os valores da sociedade brasileira, Sergio Bianchi repercute os valores da mesma. O diretor paranaense (também sou) não denúncia, é apenas uma espécie de Cap. Nascimento do cinema brasileiro. Talvez a única proximidade do paranaense com o carioca Machado.

 
Free counter and web stats